31 de agosto de 2014

Atenção. Questões importantes. Qual a opção da DIREITA, Marina ou Aécio? Na falta do candidato ideal qual é o alvo?

Vivemos um reinado de mais de uma década de PT, este conseguiu hegemonia no STF e em outras instituições importantes. Após, tardiamente, despertar para o que estava ocorrendo, a sociedade esclarecida brasileira, seja de direita, centro-direita, centro, conservadora ou simplesmente “não-esquerda”, resolveu se organizar. Fizeram isso praticamente sem investimento e inicialmente com o esforço de alguns poucos que ousaram receber o estigma de politicamente incorretos. Isso tudo aconteceu ao longo de pouco mais de dois anos, observa-se isso pela “idade” da maioria das comunidades de direita nas redes sociais. Um grande exemplo disso é a comunidade Pesadelo de Qualquer político. Com pouco mais de um ano de Facebook a rede possui mais de 200 mil pessoas em suas duas fanpages. Um número de pessoas que não se pode ignorar de forma alguma.


A princípio procurou-se um candidato que representasse uma oposição verdadeira, a carência é tamanha que chegou-se a pensar no General Heleno, que ousou desafiar Lula enquanto estava na ativa, mas Heleno disse que militares e política não se misturam. Alguns cogitaram então Bolsonaro, mas o político foi impedido pelo próprio partido, que permanece apoiando Dilma Roussef. Outro sonho, Katia Abreu, faleceu do mesmo mau que Bolsonaro.
Sem alternativas, optou-se então em concentrar todas as forças para que Dilma não fosse re-eleita e em colocar o máximo de representantes fieis à causa no legislativo, tanto federal como estadual.
A sociedade agora anti-pt, não se agrupou em nenhum tipo de associação formal, portanto, não existe possibilidade de arrecadação de recursos financeiros. Intensificou-se as ações na redes sociais, a principio poder-se-ia dizer que eram apenas redes de indignação, mas com o tempo o conteúdo foi se aprimorando e hoje podemos dizer que possuímos alguns “locais” estratégicos. Normalmente são “sítios de discussão”, como Blog de Reinaldo Azevedo da Veja, site Mídia Sem Máscara, de Olavo de Carvalho, site Revista Sociedade Militar, site Mises.org, rede libertar, site de Julio Severo, página do Pesadelo dos Políticos etc.  Hoje pode-se definitivamente dizer que a direita conquistou a internet, com conteúdo infinitamente mais coerente e embasado do que o produzido pelos adversário ideológicos.
Compartilhar! No mundo físico compartilhar significa dividir alguma coisa, tem um “que” de bondade, filantropia, amor... Nas redes sociais a coisa ultrapassa isso, compartilhar significa que você concorda, apóia e assina embaixo. E o mais importante disso tudo, compartilhar significa que você acredita que a idéia deve ser também endossada por todos aqueles que fazem parte de sua rede de amigos. Estima-se que cada pessoa tenha em média 200 amigos no facebook, um número incrivelmente alto e que faz com que qualquer assunto realmente relevante rapidamente alcance centenas de milhares de pessoas.
Veja esse exemplo. Uma postagem realizada na Revista Sociedade Militar, ainda em 2012, cujo título era “CAMPANHA NACIONAL Pró-Brasil 2014 - Sem PT o Brasil é bem melhor”, foi compartilhada por 75 mil pessoas no facebook e retuitado 1900 vezes. O número de pessoas que compartilhou obviamente já é alto, mas o fato se agiganta quando multiplicamos isso pelo número médio de amigos na rede. Veja só: 75.000 x 200 = 15.000.000 . Isso significa que a idéia alcançou 15 milhões de pessoas. Sem contar os milhares que receberam os twitters.
Por mais que a mídia tradicional hesite em divulgar isso, a massiva divulgação de artigos como o citado acima tem sido preponderante para o fracasso do PT, amplamente demonstrado pelos institutos de pesquisa. Na verdade a sociedade mobilizada nas redes sociais, postando e compartilhando notícias e opiniões realmente relevantes, fazendo muito mais do que conversar trivialidades, é o que tem definido o curso dos acontecimentos.  O acidente com o avião de Roberto Campos apenas adiantou o que já se esperava que acontecesse, que Dilma fosse para o segundo turno e depois disso, derrotada. 


Independente do que as pesquisas digam, aqueles que apóiam Aécio Neves, que continuem fazendo. Aqueles que apóiam Marina, que também o façam. Porém, sempre com o cuidado de em nossas discussões não levarmos as pessoas que desistiram de votar no PT a regredir ao seu estado inicial. Sabemos muito bem que não temos o candidato ideal, por isso o mais importante é que permaneçamos focados em nossa idéia inicial, retirar o PT do Planalto Central. Conseguindo isso, será uma significativa batalha ganha nesse guerra para restaurar o nosso país e colocá-lo de novo em caminho direito.
Não podemos esquecer que o Legislativo deve ser povoado com nossos candidatos, certamente conseguiremos isso e será nosso alicerce para um futuro promissor. A partir de 2014 ninguém mais poderá ignorar a força que possui uma sociedade inteligente e hábil no uso das ferramentas que a tecnologia tem nos proporcionado.


Robson A.D. Silva – Escreve para Revista Sociedade Militar. http://sociedademilitar.com.br

29 de agosto de 2014

Militar da Marinha se consagra como um dos melhores atletas do planeta.


Ela se consagrou como a lutadora brasileira com maior número de vitórias em campeonatos mundiais. Mayra Aguiar é agora campeã mundial de judô. Ela foi medalhista de bronze olímpica em Londres  e  já havia subido no pódium varias vezes em mundiais, sem conseguir o almejado ouro. A gaúcha tem apenas 23 anos, é um verdadeiro fenômeno do esporte brasileiro e faz parte da Marinha do Brasil, que tem contribuído de maneira ímpar com o desenvolvimento do esporte brasileiro. A Marinha fornece toda a assistência e estrutura necessária para formar e desenvolver atletas de alto rendimento.
Recentemente Mayra Aguiar foi promovida a graduação de terceiro-sargento.
Hoje, 29/08/2014 ela conquistou o ouro dos meio-pesados no Mundial de Chelyabinsk, na Rússia. Na final, derrotou a francesa Audrey Tcheumeo, campeã do torneio em 2011. É sua quarta medalha na história da competição, a primeira de ouro. Ela já tinha sido vice-campeã uma vez (em 2010, em Tóquio) e conquistado a medalha de bronze duas vezes (em 2011, em Paris, e em 2013, no Rio de Janeiro).
Com isso, se torna a brasileira com o maior número de medalhas em campeonatos mundiais. Ela superou os campeões olímpicos Aurélio Miguel (uma prata e dois bronzes) e Sarah Menezes (três bronzes).
O primeiro lugar na Rússia põe fim a um jejum de quase 10 anos no judô brasileiro, que não conquistava títulos fora do país desde 2005.
No torneiro Mayra Aguiar derrotou Kayla Harrison, campeã olímpica de 2012 e campeã mundial em 2010.
Parabéns à atleta e nossos aplausos para o programa desenvolvido pela Marinha do Brasil.
Robson A.D.Silva – http://sociedademilitar.com.br

Evangélicos pela primeira vez podem decidir as eleições no BRASIL. Pastores e líderes se apressam em dizer que NÃO apoiam o PT.

Evangélicos pela primeira vez podem decidir as eleições no BRASIL. Pastores e líderes se apressam em dizer que NÃO apoiam o PT.

Em pleitos passados os evangélicos votaram em massa em candidatos do PT. O partido na época recebeu apoio de líderes conhecidos como Silas Malafaia e Marcos Feliciano. Mas estes, principalmente por conta de discussões sobre questões ligadas à família, como aborto e adoção de crianças por casais homossexuais, aos poucos foram abandonando o Partido dos Trabalhadores.

Em um vídeo recente o Pastor Silas Malafaia diz que errou em apoiar o Partido dos Trabalhadores e aconselha os evangélicos a não votar em Dilma Roussef nas próximas eleições.  O pastor Marcos Feliciano, deputado federal que foi alvo de agressões e manifestações exageradas é outro que diz que se arrepende de ter apoiado o PT no passado. Recentemente foi postado na internet um vídeo que afirma que Marcos Feliciano voltou a apoiar o PT, Feliciano avisa que o vídeo é antigo, da época em que seu partido fazia parte da base aliada, e reafirma que acabou a relação com o PT.
eu rompi definitivamente qualquer relacionamento político com o governo que aí está, do PT e com a presidente Dilma. No meu ponto de vista o PT traiu toda a comunidade cristã brasileira”
Segundo pesquisas recentes há um empate técnico entre os católicos que votam ou não no Partido dos Trabalhadores, 42% votariam em Marina e 40% em Dilma Roussef.
Os evangélicos brasileiros compõem 22% do eleitorado,  apenas um terço dos católicos - cerca de 31 milhões de eleitores - mas entre eles 53% declaram que vão votar em Marina Silva. Isso significa algo por volta de 16 milhões de eleitores.
Por isso, mesmo que representem mais de 60% do eleitorado, a luta pelo voto dos católicos não é prioridade para as principais candidatas. Nesse setor a balança está equilibrada.
O restante dos eleitores (15%), que não declaram nenhuma religião ou são praticantes de outras filosofias, tendem a influir menos nos resultados pois compõem um número de menor de pessoas, cerca de 21 milhões de eleitores, além de apresentar um resultado mais equilibrado. 45% votariam em Marina e 27% em Dilma, se Dilma lutasse por esse grupo e alcançasse pelo menos um empate, conquistaria no máximo 3,7 milhões de votos.
A equipe de Dilma sabe muito bem que precisa conquistar os evangélicos, mas a tarefa é bastante difícil, o setor é extremamente conservador, principalmente no que diz respeito à defesa da família e honestidade. Assuntos como o mensalão, aborto, proibição de assistência psicológica a homossexuais (que rotulou-se de cura gay) e o massacre contra Marcos Feliciano derrubaram o status de Dilma e do PT frente aos evangélicos mais esclarecidos.
Recentemente Dilma foi recebida em uma igreja evangélica em São Paulo, logo após as fotografias serem divulgadas na internet o pastor Silas Malafaia publicou um vídeo declarando-se  como contra o Partido dos Trabalhadores. A cantora Ana Paula Valadão publicou essa semana fotografias usando um coque, em alusão ao penteado usado por Marina, e disse que ora para que Marina seja presidente do Brasil. “ Oro para que ela seja minha futura presidente!”, disse.

Revista Sociedade Militar – Robson A.D.Silva

27 de agosto de 2014

Jornais de todo o planeta se assombram com a subida de MARINA. Pode o Brasil enveredar pela terceira via? Perguntam.


O perfil de ecologista de Marina Silva parece agradar os europeus.

Como ministra do Meio Ambiente, Silva lançou vários programas que retardaram o desmatamento na maior floresta tropical do mundo, disse o DailyNews.
Jornais de Portugal e Inglaterra descrevem Marina Silva como uma Popular ambientalista. Dizem também que ela deu uma reviravolta nas perspectivas eleitorais. A AFP disse que Marina impressionou o mundo em seu primeiro debate. 
Marina disse que pode ser o primeiro brasileiro "pobre, preto" a ser presidente do Brasil.
Marina disse no debate que Dima Rousseff, teve sua oportunidade e provocou no Brasil um crescimento econômico lento seguido de inflação descontrolada. Ela disse ainda que Dilma é um "gestor sem visão estratégica" que cometeu "erros claros" na manipulação da economia, disse Silva.
O fato de Marina ter Nascido em uma família de seringueiros do interior da Amazônia, e dela ter crescido em meio à pobreza tem tornado-a mais atraente ainda aos olhos de muitas pessoas, enjoadas da arrogância de Dilma Roussef.
Marina só aprendeu a ler e escrever aos 16 anos, quando ficou doente de hepatite e foi direcionada para um tratamento em Rio Branco, capital do Acre, onde se matriculou em um programa de alfabetização.
Por enquanto tudo indica que Marina Silva deve ser a próxima presidente do Brasil. Se houver mesmo segundo turno entre Marina e Dilma, o resultado da eleição presidencial provavelmente estará nas mãos de Aécio Neves que terá que decidir quem apoiar.

http://sociedademilitar.com.br

24 de agosto de 2014

Lembram do Vadih Damous, da comissão da “verdade” carioca? Pois é, ele é candidato a deputado federal pelo PT.


Parece que a Comissão da “verdade” carioca, além de apurar crimes supostamente cometidos pelos militares e tentar de alguma forma revogar a anistia na parte que esta beneficia os militares, serviu também para tornar conhecido o nome de seu presidente, a ponto do mesmo se candidatar a deputado federal pelo PT do Rio de Janeiro.

Mesmo em campanha política o advogado não se furta em atacar os militares, em sua página no facebook Vadih também, assim como fez o jornalista  Luis Carlos Cunha, do site 247, tenta jogar a presidente Dilma contra o comandante do Exército. O advogado diz que ficou ESTARRECIDO com a notícia de que o comandante Enzo teria dado uma ordem para que os comandantes só respondam a questões relacionadas ao golpe militar por intermédio do comando do Exército. (Veja a imagem)
O advogado Vadih Damous é presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, e candidato a deputado federal pelo PT, em coligação com o PCdoB e PSB. Seu número é 1322

23 de agosto de 2014

Ofício do EB






Revista Sociedade Militar

ENZO estaria ACHINCALHANDO Dilma. Site esquerdista mais famoso do país dá uma de alcoviteiro é quer forçar uma intriga entre Exército e Executivo. Por que isso interessa para alguns?


Alcoviteiro atualmente é palavra pouco usada, mas principalmente os mais antigos sabem muito bem o que significa. Mexeriqueiro, intrigante; fofoqueiro e coisas do tipo são alguns sinônimos.


Parece que o 247 assume exactamente essa postura ao publicar artigo de Luis Claudio Cunha que diz que o Exército estaria axincalhandio Dilma. Eles pretendem jogar Dilma contra o exército?
O artigo é intitulado:“DILEMA URGENTE DE DILMA: OU DEMITE O GENERAL OU EXTINGUE A CNV”, que circula rápido pela internet, para deleite dos sites esquerdistas, a essa hora ele já deve ter chegado por umas “enes” fontes diferentes na caixa da presidente Dilma. O autor é Luis Claudio Cunha. O texto, resumindo, diz que Enzo desafia a autoridade de Dilma Roussef e que a envergonha diante da sociedade brasileira.
Para entender melhor isso é bom saber um pouco sobre quem escreveu texto. Cunha é jornalista e há alguns anos fez uma série de reportagens sobre a operação Condor, publicadas na revista Veja. Pelo trabalho recebeu o premio Esso de jornalismo. Em setembro de 2012 o jornalista foi convidado pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Gilson Dipp e pela advogada Rosa Cardoso para atuar como consultor do grupo de trabalho da Operação Condor. Contudo, Cunha é demitido da CNV apenas alguns meses depois. Segundo ele mesmo, a demissão foi uma espécie de censura. Vejam o que disse Sobre a própria demissão.
No final da manhã desta terça-feira, 2 de julho, fui inesperadamente comunicado de meu afastamento da Comissão Nacional da Verdade (CNV). Ali atuava como consultor do Grupo de Trabalho da Operação Condor, formalmente convidado desde setembro passado pelo ministro do STJ Gilson Dipp e pela advogada Rosa Cardoso. De repente, contra o voto divergente de Cardoso, fui punido pela decisão irrecorrível de quatro comissários — Paulo Sérgio Pinheiro, José Carlos Dias, Maria Rita Kehl e José Paulo Cavalcanti — pelo suposto delito de opinião. “
Segundo o jornalista, um artigo que escreveu, chamado “A comissão de frente da mentira: quem teme a verdade sobre a ditadura?”, foi a causa da demissão. No texto ele critica o posicionamento de alguns membros do alto escalão da república, para ele estariam prejudicando o trabalho da CNV.
O Brasil descobriu nos últimos dias que a tropa de elite dos altos escalões da República que combate a verdade é mais forte e abusada do que se imaginava. Cerram fileiras ali, entre outros, o Ministro da Defesa, comandantes do Exército e da Marinha e até mesmo um dos sete ilustres membros da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que deve ser a primeira trincheira de seu resgate perante o país.”
Em meio a varias acusações encontradas uma delas chama a atenção. O jornalista e então membro da CNV reclamava de que o comandante do Regimento de Cavalaria Mecanizada em São Borja tenha se negado a fazer a segurança do túmulo de João Goulart. O tenente-coronel André Alves teria respondido à pedido da prefeitura local, depois de consultar seu superior imediato, General Antônio Miotto, que “a área não é jurisdição das Forças Armadas”, e que por isso a segurança deveria ser feita pela polícia estadual.
No artigo Cunha ironizou essa postura, dizendo: “Estranho seria se fosse. Exércitos não existem para patrulhar cemitérios, embora a História mostre que eles costumem povoá-los com os mortos de guerras ou de golpes de Estado que eles patrocinam”. 
Ora, qualquer um cidadão há de concordar com o General, realmente não cabe a uma força como o exército realizar uma missão desse tipo.
Mas o ranço não acaba aí, Cunha vai mais longe e diz que houve uma espécie de conspiração, um conluio entre os altos escalões do Exército para que não se destacasse três ou quatro soldados para guardar um cemitério.
“uma recusa institucional do Exército...  parece óbvio que a recusa tenha sido acertada dentro da escala de comando. Pela cadeia hierárquica, progressivamente, o general Carlos Bolívar Goellner (comandante Militar do Sul), o general Enzo Martins Peri (comandante do Exército em Brasília) e o chefe de ambos, o embaixador Celso Amorim...”
Sem mais delongas esse retrospecto serve, no meu ponto de vista, para mostrar que não é de hoje que esse cidadão tenta afetar de alguma forma a imagem dos militares brasileiros. Taxando-os de insubordinados e conspiracionistas.
No texto publicado nessa sexta-feira (22 de agosto), Cunha diz que a presidente Dilma acordou estarrecida, e fala como se estivesse lá na manhã de sexta feira. Ele diz que Dilma está num dilema terrível, que deve optar entre o Comandante Enzo e a manutenção da Comissão da Verdade.  Veja.
A presidente Dilma Rousseff acordou estarrecida nesta sexta-feira, 22, como qualquer brasileiro que se respeita.  E diante de um dilema inadiável, indelegável, inquestionável.
O globo publicou na sexta pela manha um artigo chamado “Anos de chumbo: comandante impõe silêncio ao Exército - Unidades da força são obrigadas a não colaborar com as investigações sobre os crimes da ditadura”.
No texto, Chico Otávio comenta sobre a Ordem de Enzo, que determina o que todo comandante já sabe, que em assuntos que podem afetar a força como um todo, as informações devem ser repassadas ao solicitante pelo comando central.
Qualquer um pode entender que em uma instituição tão grande como é o Exército Brasileiro é natural que questões importantes e de grande repercussão sejam tratadas pelo comando maior. Contudo, se você pensa assim, pelo menos para o jornalista Luis Claudio Cunha  você é uma pessoa que não se da ao respeito.
O ofício de Enzo diz: “... A respeito do assunto, informo a esse comando que pedidos/requisições de documentos realizados pelo Poder Executivo, Poder Legislativo, Ministério Público, Defensoria Pública e missivistas que tenham relação ao período de 1964 a 1985 serão respondidos, exclusivamente, por intermédio do gabinete do comandante do Exército".
Cunha vai mais longe ainda e tenta amedrontar Dilma Roussef.
“Cabe a ela, e a mais ninguém, repor a autoridade de seu comando e o prestígio de seu cargo. Se nada fizer, Dilma perderá ambos — a autoridade e o prestígio. Tudo isso em meio a uma brava campanha eleitoral, que não permite hesitações ou fraquezas. À esquerda ou à direita... O general Peri não está zombando apenas da CNV. Está achincalhando a autoridade da comandante-suprema, a presidente da República.”
“Causa perplexidade o Hospital Central do Exército não ter autonomia para entregar ao Ministério Público Federal registros dos prontuários de presos políticos. Trata-se de mais um fato vergonhoso...”
Não, nada disso causa espanto à pessoas sensatas. Os militares do exército, assim como das outras duas forças, falam todos a “mesma língua”. O ofício é de três meses atrás e é redundante, apenas reafirma um procedimento usual.
Tanto Cunha como Chico Otávio tentam fazer tempestade em copo d’água.  
Será ranço por ter sido demitido da CNV? Ou talvez o jornalista deseje ter em sua biografia o mérito de ter sido causador da queda de um comandante do Exército. Obviamente isso é quase impossível de ocorrer, já que - para deleite de uns e ódio de outros - o General Enzo, ao que parece, muito mais submisso à Dilma Roussef do que muitos desejariam.
Robson A.D.Silva

22 de agosto de 2014

Hamas executa 14 pessoas a sangue frio. Chamam de tribunal revolucionário. O nome soa familiar?

Hamas executa 14 pessoas a sangue frio. Chamam de tribunal revolucionário. O nome soa familiar?
Pois é, o Hamas, que suscitou tantos manifestos e notas de repúdio dos politicamente corretos, decidiu executar 18 homens em via pública, pra dar o exemplo. Os “condenados” teriam fornecido informações ao governo de Israel. Alguns dos homens foram executados em frente a uma mesquita no momento em que os fieis saíram da celebração.

Segundo o Hamas: Todos os colaboracionistas serão julgados por tribunais revolucionários e receberão as penas previstas para este delito — afirmou esta fonte, referindo-se aos tribunais secretos criados pelos movimentos palestinos em Gaza.
As execuções ocorreram um dia depois de terem sido mortos três comandantes do braço armado do Hamas num ataque aéreo israelita a um edifício em Rafah (sul da faixa de Gaza).
Mas não ficou só nisso. O Hamas lançou novos morteiros contra Israel, um deles matou uma criança de apenas 4 anos de idade.
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou que o grupo terrorista pagará um preço alto pela morte.
Será que as entidades politicamente corretas daqui do Brasil vão emitir um manifesto anti-hamas?